O argumento mais utilizado pelos defensores da ideia de que “quanto mais energias renováveis menor será o preço da eletricidade” consiste em dizer que o preço no mercado ibérico (MIBEL) desce quando há mais potência renovável na rede e sobe quando há menos. Este argumento

Os países vão prometer, porque prometer não compromete, que vão conseguir a neutralidade carbónica até ao ano de não-sei-quantos. E vão plantar mais eólicas e solares e aumentar a taxa de carbono e a eficiência energética e blá-blá-blá. Quando acabar a COP26, regressam aos seus

O clamor do culto climático está-se nas tintas para os enormes custos sociais e económicos da inevitável destruição dos fundamentos da economia de mercado, do bem-estar e da prosperidade de milhões de pessoas em função de um objectivo inalcançável.

Quantos casos de atropelamento se devem verificar, para que o número seja estatisticamente relevante e justifique uma intervenção, de quem manda e pode, contra o seu uso impróprio e insensato?

Seis anos de construção do socialismo trouxeram-nos até aqui: somos um dos cinco países mais pobres da Zona Euro; estamos a divergir da média da União Europeia; a carga fiscal não pára de crescer; e as liberdades são cada vez mais uma miragem.