Em tempos de verdade relativa e dual, de indignação seletiva, de agenda-setting e de framing, do totalitarismo politicamente correto marxista, resta-nos a Cruz.