Constou que os pais do menor de 15 anos, de nome Emanuel, que se atirou para debaixo de um comboio alegadamente por causa do abuso sexual pelo padre Nuno Aurélio, que o Patriarcado de Lisboa terá dado particularmente aos pais humildes desse adolescente cerca de