A mesma lógica foi invertida relativamente às mortes no decorrer da toma das novas vacinas, solicitando-se sempre provas laboratoriais antes de se assumir quaisquer fatalidades como estando àquelas associadas, mesmo quando se tratava de jovens saudáveis – como o polémico caso do Rodrigo.