A guerra é morte, mas não consegue banalizar a morte. A morte não é banalizável e a grande literatura faz dela e do amor os seus temas de eleição, por calarem demasiado fundo na natureza humana, como questões existenciais que as nossas defesas psíquicas tentam