Nem o Estado Novo, de Oliveira Salazar, se atrevia a chumbar os alunos dos pais que impediam os seus filhos de frequentar as sessões da Mocidade Portuguesa. Além do mais, nos anos sessenta, a frequência das iniciativas da Mocidade Portuguesa deixou de ser obrigatória e