Sintomas do fim — Imoralidade (2)

image_pdfimage_print

Na sua carta aos Coríntios, O apóstolo Paulo recomenda:

«… mas, por causa da impureza, cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido. O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher.» (1 Coríntios 7:2-4)

Estes conceitos divinos são odiados pelos movimentos feminista e lgbtetc., que definem as directrizes da educação escolar no que diz respeito aos conceitos de família, casamento e sexualidade. Assim, de acordo com o PRESSE, cujo caderno do 3º ciclo foi retirado da Internet depois da polémica causada pelas “fichas para heterossexuais”[1]:

«Cada pessoa vive a sua sexualidade de forma diferente de acordo com a educação recebida pela família, pelos amigos, pela escola, pelo local onde vive, pelos meios de comunicação, entre outros e esta experiência interfere na construção da personalidade da pessoa e, portanto, na sua saúde. Como referem López e Fuertes, (1999, p. 16) “a sexualidade não só mediatiza todo o nosso ser como também é mediatizada pelo que somos”.»[2]

Traduzindo: todos nascem neutros e é a educação recebida no seio familiar que condiciona e impõe o sexo a meninos e meninas.

Assim, para combater esse condicionamento e imposição, que constatam que se nasce menino ou menina – “os tais estereótipos impostos por uma sociedade patriarcal machista” – a escola, os amigos, o local onde se vive e os meios de comunicação têm a palavra final na construção da sexualidade da pessoa. Desse modo, as suas preferências sexuais condicionam todo o seu ser e tornam-na conhecida [mediatizada] de acordo com a identidade de género autodeterminada [preferência sexual tornada pública]. Resumindo: sexo é tudo, tudo é sexo e o “género” é só uma palavra trazida da língua inglesa para confundir os incautos. Como escreveu a feminista radical, esquizofrénica e lésbica, Shulamith Firestone:

«A mente plenamente sexuada [a mente que só pensa em sexo] tornar-se-ia universal se a criança escolhesse a relação sexual com os adultos, e ainda no caso que escolhesse a sua própria mãe genética, não existiriam razões, à priori, para que esta rejeitasse as suas insinuações sexuais, visto que o tabu do incesto teria perdido a sua função.»

Chocado? Não devia estar (ou será que devia?), pois é isto que se está a fazer às crianças na escola: a inculcar nas suas mentes sexo, sexo e mais sexo, muito sexo, em todas as suas perversões, até elas só pensarem nisso e não rejeitarem quaisquer insinuações sexuais, venham elas de onde vierem. Como escreveu a feminista radical, nem a própria mãe teria razões para rejeitar os avanços sexuais de um filho (ou um filho de um pai…). Se isto não dá ânsias de vómito…

Este programa imoral, concebido por adultos tarados – para erotizar crianças – repesca as práticas mais depravadas e imorais do Antigo Império Romano, e da Antiguidade em geral, como algo libertador e desejável para os dias de hoje e aponta o dedo aos cristãos como os repressores do que era bom:

«Ganham força as concepções de Santo Agostinho de que o sexo era fruto do pecado humano. […] Século VII: As actividades homossexuais caem na clandestinidade. Cresce a repressão à actividade sexual pelo prazer.»

Percebeu?

O sexo, criado por Deus para gerar vida e ser prazeroso no casamento (entre marido e mulher), é bom. Tudo o que Deus criou é bom quando é usado para o propósito para o qual foi criado. Deus ordenou a Adão e Eva que se unissem sexualmente e reproduzissem antes da queda (antes do pecado entrar no Éden). O que adultos ateus, ou simplesmente ignorantes da origem do sexo, pretendem incutir na mente dos seus filhos é que foram os malvados dos cristãos que tornaram clandestinas as actividades homossexuais e passaram a reprimir a actividade sexual prazerosa… Como se só fosse prazeroso o sexo entre pessoas do mesmo sexo… Depois, admira-se que haja cada vez mais crianças a declararem-se lgbtetc.?

É verdade que Roma Antiga ficou conhecida pela imoralidade sexual desenfreada. De acordo com o historiador Will Durant:

«[No Império Romano] A prostituição florescia. O homossexualismo era estimulado pelo contacto com a Grécia e com a Ásia. Muitos homens ricos pagavam um talento (+ ou – 3 600 euros) por um homem favorito. Cato queixava-se de que um belo jovem custasse mais do que uma quinta».[3]

Durant, diz que a prostituição (que a esquerda quer transformar numa profissão como as outras) era tão comum em Roma que algumas vezes os votos dos políticos tinham de ser recolhidos no collegium lupanariorum, que era a “associação de defensores dos bordéis”,[4] e acrescenta:

«O adultério era tão comum que atraía pouca atenção, a não ser quando era praticado por motivos políticos; e praticamente todas as mulheres abastadas se divorciavam pelo menos uma vez.»[5]

E diz mais:

«Os romanos, como os gregos, toleravam de bom grado os locais onde se concentravam os prostitutos. A profissão era legalizada e restrita […] O velho Séneca adoptava o amplo adultério entre as mulheres romanas».[6]

Prostituição legalizada? Adultério comum? Divórcio? Homossexualismo, nas ruas e às claras? Tudo, tolerado de bom grado? Moderno? Sinais da evolução dos tempos?

Não! Não há nada de novo debaixo do sol!

Mas, de todas as cidades da Antiguidade, não havia nenhuma mais depravada do que Pompeia. Por exemplo: era comum que um símbolo fálico adornasse o lado de fora das casas.

Portanto, não devia deixar de ser um alerta, para nós, o facto de a cidade mais pervertida daquela época ter sido destruída repentinamente em 24 de Agosto de 79 d.C. — como Sodoma e Gomorra haviam sido antes disso. Deus abomina o pecado e, para nosso exemplo, Ele destruiu Sodoma e Gomorra devido à imoralidade que imperava:

«Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo; e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, a oitava pessoa, o pregoeiro da justiça, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente;» (2 Pedro 2:4-6)

Foi num mundo corrupto e pervertido — que está a ressurgir das cinzas e a ser apresentado à sociedade como algo moderno, bom e desejável — que Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou. Foi nesse mundo que o Evangelho começou a ser espalhado pelos discípulos. Eles chegavam e declaravam às sociedades que acreditavam em deuses pagãos, que nada tinham de santos e encorajavam toda a sorte de perversão sexual, que Deus é Santo e requer santidade dos Seus filhos.

Hoje, o hedonismo moderno está a ensinar às nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos, que o Cristianismo reprime a sexualidade e impede o prazer, mas o que ele realmente quer dizer é que o Cristianismo “reprime a imoralidade” e, nisso, está certo.

[1] https://observador.pt/opiniao/tudo-sobre-a-minha-heterossexualidade/

[2] Se escrever o texto do PRESSE no Google, é conduzido a um link, mas quando carrega no link dá “Not Found“: https://aeja.pt/ficheiros/d3303526MtvRUOBfb.pdf. Isto aconteceu depois da denúncia de uma ficha do PRESSE para heterossexuais.

[3] Caesar and Christ, p. 89.

[4] Ibid. p. 134.

[5] Ibid.

[6] Ibid. p. 369.


Maria Helena Costa

* A autora escreve segundo o anterior acordo ortográfico.

Partilhar

Latest comments

  • Artigo simplesmente delirante, que leva a interrogar-se se será fruto duma obsessão muito pessoal da autora pelo tema tratado.
    Para lá da desnecessária explicação do significado (subjectivo) das várias citações, que subestima a capacidade crítica e inteligência dos leitores, a prosa atinge o máximo quando compara a destruição de Pompei com a de Sodoma e Gomorra. Defender que Pompei, destruída pela erupção do Vesúvio, foi castigo de Deus para punir uma cidade depravada, é como dizer que o grande terramoto de 1755 que destruiu Lisboa bem como todos os cataclismos que afligiram e afligem diariamente a humanidade provocando milhares de mortos, são consequência de uma depravação sexual generalizada dos povos. É tristemente risível.

    • Se os leitores têm capacidade crítica e inteligência, como refere, porque será que temos os piores, incompatentes e mais corruptos da Europa? Porque temos governantesque roubam e matam e gozam de impunidade? Porque temos governantes pedófilos que chegam a presidentes do Parlamanto?
      E porque será que em vez de criticar e negar, não refuta com factos, dizendo que se vive moral e em liberdde/respeito muito melhor que há 50 ou 100 anos?
      Onde hã liberdade e respeito pelo Ser Humano, quando a sua matança está legalizada, pelo aborto e a eitanazi a?

  • O feminismo, o movimento lgbt e mais uns quantos, movimentam-se ao serviço de uma agenda com um propósito obscuro (para quem não está ou não quer estar informado) do qual uma pequeníssima minoria quer impor os seus “ideais” a uma maioria, sendo para isso “ajudado” pela maioria dos meios tradicionais de comunicação social que por sua vez são subsidiados por essa mesma “agenda”.
    Nas faculdades, em especial, nas de humanidades, maternidades destas “ideologias”, florescem “analfabetos funcionais ” que julgam ditar o que é o progresso, e o que é certo e o que é errado.
    O que se tem assistido não é mais que um retrocesso civilizacional, em culpa por parte da maioria das pessoas, que em bom português, não está para se chatear, e vai deixando que estes “iluminados” estendam cada vez mais a corda.
    A situação relatada de pompeia a meu ver não foi a forma mais conseguida de tentar explicar a imoralidade e o seu castigo divino, contudo mais tarde ou mais cedo, a razão voltará a imperar, a história assim o tem demonstrado.

  • A preparação do “cenário”, ou os fundamentos do que hoje se presencia…..um texto forçosamente curto e generalista …depois vem a decadência, o “crime e castigo”, mas esta ultima proposição, só por si, merecia um livro.

    No “Manifesto da partido comunista” Marx e Engels propunham a abolição da família, entendendo eles que tal era uma forma de opressão das mulheres, pelo que a evolução dessa situação teria que passar pelo igualitarismo que conduzisse a novos papéis na relação familiar, transformando-se assim a «luta de classes», para a moderníssima «luta de géneros», em que se espalha a ideia que eram os condicionalismos culturais tradicionais que, nas famílias, oprimiam as mulheres.

    Assim, a sociedade deixará de ser uma comunidade de famílias, servidas pelo Estado, para passar a ser um conjunto de cidadãos…ao serviço do Estado regulador, nacional ou supra-nacional, das suas concepções e, para quem se atrever a se destacar das “massas”,.as respectivas sanções ideológicas, ao estilo marxista de má memória produzirão o seu efeito, e a apatia será completa.
    Diz um autor espanhol (não registei quem)

    La presión sexual ha hecho más inestable el vínculo familiar. Y ha oscurecido los deberes de justicia que están en juego respecto a los hijos y cónyuges. Los partidos radicales (lo que queda de la izquierda y mucha parte de la derecha) siguen promoviendo el divorcio. Y han puesto los derechos (y caprichos sexuales) del individuo por encima del vínculo familiar, de los derechos del otro cónyuge y de los derechos de los hijos a la permanencia del hogar (que es un derecho que existe, teniendo presentes los daños que sufren cuando se destruye). Pero esto tampoco es una moral nueva. No es que hayan descubierto con más claridad nuevas exigencias morales, sino que la presión del egoísmo sexual ha atropellado otros valores más importantes, pero más indefensos.

    También se ha producido un grave oscurecimiento sobre el valor de la vida. Los medios anticonceptivos han facilitado la promiscuidad, pero no siempre impiden el curso natural de la sexualidad. Esto produce muchos hijos no deseados y en condiciones anómalas. La presión para quitárselos de encima ha originado una de las alteraciones más dolorosas del sentido moral público. Mientras que el hijo nacido es un bien de interés general y un ciudadano protegido por la ley, la presión sexual ha conseguido dejar desprotegido al no nacido.

  • Um escabroso exemplo do mistério da iniquidade, bem expressivo da decadência moral do Ocidente ,cujas consequências são inimagináveis pois apontam para uma sociedade em auto-destruição. Os castigos Bíblicos existem, que não haja ilusões, mas constituem um estudo apenas nessa esfera, como uma disciplina especifica da Teologia, como existem outras como a demonogia a que os Exorcistas se dedicam.

    O texto que se segue é do Dr. Jorge Ferreira (advogado já falecido) e foi deputado há muitos anos.

    Eis os “progressos” pós modernistas….

    DANIEL COHN BENDIT

    2004-10-29 05:16:43

    “Às vezes acontecia que algumas crianças abriam a minha braguilha e começavam a acariciar-me. (…) Se insistiam, também as acariciava. (…) As meninas de cinco anos tinham aprendido como excitar-me. É incrível.”

    Quem fez e declarou isto há alguns anos a um jornal é hoje um ilustre deputado do Parlamento Europeu. Toda a gente sabe, porque os jornais repescaram estas afirmações há uns tempos.

    Ser líder está-lhe na massa do sangue. Liderou o Maio de 68 em França. Liderou, entre alguns outros, o combate contra o indigitado comissário italiano Rocco Butiglione, esta semana no Parlamento Europeu, devido a opiniões do imprudente italiano. Liderou, pelos vistos, investigações aplicadas sobre a sexualidade de crianças. Quando se soube disto afirmou até que não se arrependia de nada do que tinha feito.

    Chama-se Daniel Cohn Bendit e é um monstro sagrado da esquerda. Ninguém se incomoda de ser representado por um fulano destes no Parlamento Europeu. Não há indignação, não há apelos, não há nada. Apenas um silêncio indiferente. Até dos liberais de serviço.

    Meu Deus! Por que razão José Barroso não escolheu o homem para as funções de Rocco? Hoje já havia Comissão.

    Lisboa, 28 de Outubro de 2004

    Jorge Ferreira
    Advogado

    • Parece-me vão, inútil e até ligeiramente imbecil, questionar este comentário atolado até ao pescoço de mau gosto e facciosismo.

    • Porque JoséBarrosoéigual a eles…. e por isso, ocupa o cargo que se sabe!
      Os ex-MRPP’s são mercenários e viram a casaca conforme as conveniências.

  • Estes artigos estão a tornar- se tão delirantes que apetece recomendar uns anos de tratamento psicanalítico a quem escreve.
    Por entre profusas citações bíblicas, nenhuma do próprio Cristo, aquele que nos ensinou que é mais fácil ver um argueiro na vista alheia do que uma trave na nossa própria. Ou que só quem estivesse livre de pecado atirasse ao pecador a primeira pedra. E, um a um, todos deixaram cair as pedras. Não pretendendo ser Teóloga, muito menos tudóloga, julgo que o Cristo que me foi apresentado na Catequese, bem como nas aulas de Religião e Moral, era “slow to anger” e deu a vida por amor e perdão a nós, pecadores, tão mais pecadores quanto mais nos cremos puros.
    Aqui, já o divórcio vem a par da prostituição, num saco sem fundo de pecados dignos de erupção vulcânica. Por favor, tenham algum respeito pelo discernimento alheio, ó autoproclamados arautos do Bem, constantemente buscando argumentos de autoridade por falta de argumentação própria credível.
    Teoricamente, o mundo Ocidental é uma gigantesca Sodoma e Gomorra, perto dos dias do fim, mas então o Oriente, a África, a Ásia, com o terrorista Putin à cabeça? Tudo santidade? Valha- nos Deus quando os extremos Direita e Esquerda se tocam na animalidade desenfreada que tanto pode assumir a forma monstruosa da pedofilia quanto a do genocídio.

    • Não lhe ensinaram:”Não invocar o Santo Nome de Deus em vão”?
      Essa cabecinha anda desnorteada e entra numa generalização sem nexo!
      Sabe dizer-nos (e sei que não!) em que é que a dita extrema Direita e igual à (extema) esquerda? Ou nem sabe que a pedofilia e o genocído sempre foram defendidos pela esquerda (hoje, toda!)?
      Ah…., não esqueça que o nacional-socialismo é esquerda, ateu e sem respeito pelo Ser Humano…., tal como a China do caqmarada SHi JiPing.

      • Talvez resolva o seu desnorte pessoal se , eventualmente, lhe revelar que a ” Nova Portugalidade” é tão putinista quanto o PCP. Viu? Os extremos tocam-se. Passe bem!

      • “Ah…., não esqueça que o nacional-socialismo é esquerda, ateu e sem respeito pelo ser Humano….,”
        Bingo. Aqui está um exemplo perfeito de como as pessoas preferem acreditar a pensar(a biologia é fogo).

deixe um comentário