Segundo round: J. K. Rowling contra “cancel culture”

image_pdfimage_print

© via Wikimedia Commons

A escritora escocesa J.K. Rowling contra-atacou quem a insultou e ameaçou por causa da sua opinião contrária à utilização por transexuais de casas de banho do outro sexo.

Numa série de tuítes (tweets), em 19-7-2021, a autora de Harry Potter denunciou a violência das ofensas sofridas e reiterou a sua discordância com a promoção da legalização de reivindicações transexuais, como o uso de casas de banho e vestiários do sexo oposto.

Num ensaio publicado em 10-6-2020, J.K. Rowling criticara a deriva legislativa de promoção da transexualidade e concluíra que agora basta a um homem dizer-se mulher para ser considerado mulher, independentemente de qualquer cirurgia.

A reação dos militantes da cancel culture do politicamente correto foi violenta: insultos, ameaças de morte, perseguição para banimento e ostracismo.

Veremos como corre este segundo assalto. Todavia, dada a desproporção de vozes e meios, a escritora arrisca ser calcada no “caixote do lixo” da História.

Partilhar

Sem comentários

deixe um comentário