Responsabilidade e isenção do Estado

Numa orquestração sinfónica socialista, em que o solista reentra na grand finale, depois da preparação do naipe de violinos da imprensa, Eduardo Cabrita mostrou-se, em 2-7-2021, traumatizado com o acidente do carro em que seguia.

Todavia, traumatizada foi a vítima da pressa do ministro, que voava para Lisboa, sem agenda conhecida para a tarde. Cabrita aproveitou para descartar responsabilidade do acidente e do comunicado que diz ter sido feito pelo “Ministério da Administração Interna”. Pudera, não tem nada com isso…

Porém, uma coisa são as desculpas do ministro e a cobertura de António Costa que não quer remodelar o Governo antes das eleições autárquicas para não demonstrar fraqueza, e outra coisa é a responsabilidade e isenção do Estado. Que não há.


António Balbino Caldeira
Diretor

Partilhar

Latest comments

  • Então Sr. ministro, ainda aí está? Eu avisei, o dono do carro quando soube quem andava com ele não ficou muito satisfeito!
    Ainda por cima a esmurrar a pintura …
    Só não percebi porque é que ele o quer de volta depois de batido! Veja bem debaixo das almofadas, forros das portas, debaixo do tablier, abra o depósoto do combustível, os pneus, o forro do tejadilho, o filtro do ar, a cabeça do motor, o ar condicionado …
    olhe que ficou aí mercadoria de valor, e o sr. anda a snifá-la, porque senão já tinha percebido que o “ganda-nóia” (menssageiro do Celito), lhe anda a mandar recados no sentido de saltar enquanto é tempo!
    Pessoalmente até prefiro que continue a AFUNDAR o PS, porque o Rio não consegue nem uma décima parte da sua eficácia nessa tarefa 🙂

  • Depois de ouvir o ponto de vista do José Eduardo Martins no #ooutrolodao de ontem, sou tentado a admitir que o ponto de vista dele faz mais sentido:
    – Sendo o Costa especialista em jogadas retorcidas, a manutenção do MAI naquela posição caricata de “caprino enrolado em silvas”, pressupõe alguma vantagem para o dito e para o partido.
    – Sim como o Eduardo diz, entretêm o público alvo, desviando a atenção de coisas mais sérias, tais como :
    – CML, que corre um sério risco de ir para ao colo do Moedas, por isso o visconde já está a investir no sector que lhe pode garantir o lugar a troco dumas moedas furadas (creches grátis, pagas pelas taxas dos outros lisboetas que vão votar Moedas, habitação barata (idem)), e mais alguma coisa que ele se lembre de oferecer, e até pode não poder cumprir porque as penalizações do caso “Russia Gate” podem deixar as contas da CML em mau estado!
    – A TAP o Nuno Santos e o novo aeroporto, já para não falar de comboios … têm beneficiado dum silêncio perturbador!
    – O pp MAI, mas em casos muito mais interessantes do que o acidente da A6 (SIRESP – funciona ? Alguma vez funcionou ? Próxima época de fogos com autárquicas no horizonte, SEF, PSP – policia sensibilizadora pública que não cumpre a missão …)
    – O caso CGD, falou-se muito do Joe, mas ainda pouco do CS Ferreira.
    – E tantos outros casos que já não lembro, porque o método do badocha está a resultar!
    – Entretanto os arautos da propaganda lançam fumo na cena, e os totós vão na onda negacionista entretidos a contestar covids, e a discutir em que buraco devem enfiar a máscara, até já se vê gente a comparar SIDA com COVID!
    Mais um que o PPC deve ter contratado por engano, o outro até lhe tinha chamado “alforreca” …

    • Oh Eduardo, e com aqueles problemas todos no MAI quem é que o Costa vai lá por?
      – O baú socretino, parece estar vazio!
      – Só se for um independente esgrouviado, ansioso por entrar no mundo da política, daqueles que acordam a cantar a internacional …
      – Ou então, o sempre disponível César, quem sabe, já dizia o conde de Lippe : Transmontanos, Alentejanos e Açoreanos, vão para condutores hipo!
      (as minhas desculpas aos povos referidos, não há da minha parte qq sentido depreciativo, pretendi apenas citar uma frase que se ouvia muito em contexto militar, e que me parece adequada no caso concreto).

  • Ora entretanto lembrei-me dum caso que tem beneficiado deste ruído todo gerado pelo acidente da A6, e que parece estar a ser usado para “jamming”:
    – O prédio Coutinho já foi abaixo sr. ministro do ambiente ? Afinal correu com os legítimos proprietários e parece que o mamarracho (e outros implementados por grandes xuxas) continua lá de pé!
    – Será por isso que o sr. ministro pegou esse pretexto da quarentena para não ter que dar a cara (não se perde nada) ?
    – Ou serão as barragens da edp que o fizeram seguir a técnica do seu chefe que também se queria esquivar a piropos inconvenientes dos parceiros da UE ?
    – Ponha duas mascaras bem grandes, e uma viseira de vidro escurecido, para não termos de lhe ver essa fronha barbuda, já gora, podia também usar um spray de hélio para lhe dar uma voz menos arrogante, e volte para o terreno e enfrente o vírus e o povo!

deixe um comentário