Um estudo preliminar realizado por investigadores no Chile sugere que a mutação, que surgiu pela primeira vez no Peru há cerca de um ano, é altamente infecciosa e pode ser capaz de resistir aos anticorpos da CoronaVac chinesa.