Os Lusíadas não esperam pela demora!

Sim, os Lusíadas são um texto épico da nossa nacionalidade e tudo isso, mas creio que, a prazo, a avaliar pelos antecedentes, pouca gente mexerá uma palha quando a barbárie woke o colocar no radar.

O que não falta no texto são referências à escravatura, discriminação de grupos “oprimidos” diversos, intolerância, racismo, genocídio, estereótipos do heteropatriarcado, etc, etc.

O Luiz Vaz, esse fascista, refere, entre outros ultrajantes desrespeitos, as “gentes enojosas da Turquia”, fala da “maligna gente que segue o torpe Mahamede”, discorre sobre “o Mouro pérfido”, atreve-se a descrever os africanos como “os de Faeton queimados”, etc.

E o Fernando Pessoa?

Esse já está na fogueira. Há dois anos, uma tal Luzia Moniz, presidente de uma obscura (atenção a esta palavra, perpetuadora de estereótipos negativos) Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana, acusou-o de “escravocrata racista”. Além disso na “Mensagem”, o vate refere em tons épicos algumas personagens e feitos da nossa História, o que é manifestamente imperdoável, segundo os cânones da nova fé.

Nas obras destes e doutros autores, está tudo o que faz salivar o pequeno grupo de Savonarolas pseudo-intelectuais “progressistas” que mandam na cancel culture. Pelo que não tarda o dia em que irão lançar os seus baldes de trampa contra eles e suas obras “culturalmente ofensivas”, enviando-as para o novo Index Prohibitorum ou queimando-os nas fogueiras da nova inquisição.

Envergonhar os portugueses que têm orgulho em o ser, isso sim, é poder. E nestas demonstrações de poder nada é sagrado (excepto a própria correcção política woke) e nada está imune à violência “iluminada”. É uma revolução cultural onde os fins justificam os meios, como Maquiavel e Marx ensinaram.

Mas se o negócio de Marx era a luta de classes, para a barbárie woke é mais a raça e a orientação sexual.

Definindo todos pela cor da pele e julgando os brancos como os “maus” e culpados de “racismo sistémico”, esse iníquo pecado original que deve ser expiado pela força totalitária, os woke simplificam o mundo à medida de Maniqueu e reivindicam-se do topo da única moralidade certa: a deles!

Como resultado, vivemos hoje na versão ocidental da “sociedade do medo”, na qual a pressão para a conformidade não vem do topo do comité central, mas dos intolerantes “cristãos novos” que nos rodeiam.

Nos campus, nas escolas, nos média, nas redes sociais, urbi et orbi, somos intimidados para que nos calemos, para que amochemos e só expressemos ideias conformes à nova Doutrina da Fé.

E por isso se proíbem livros, se cancelam filmes, se despedem pessoas, se reescreve a História e se derrubam monumentos e memórias.

Começa pelos pequenos, porque é de pequenino que se torce o pepino.

Babar, o Elefante, já foi. “Celebração do  colonialismo”, alegaram, já que o malvado trombudo da história deixa a selva e volta mais tarde para “civilizar” os seus  conterrâneos.

Tintim, coitado, já se arrasta no submundo, por ter representações dos africanos com traços “exagerados” e em situações de subalternidade, a carregar coisas atrás do explorador branco, e ter nascido numa revista “fascista”.

A Disney Plus já expurgou Peter Pan, porque “retrata os povos nativos de uma maneira estereotipada que não reflecte nem a diversidade dos povos nativos nem suas tradições culturais autênticas”, Dumbo, que “presta homenagem a espectáculos racistas”, Aristogatos, o “Livro da Selva”, a “Família Robinson”, porque “os piratas têm o rosto escuro e estão vestidos de maneira exagerada e imprecisa, reforçando a sua barbárie e alteridade”, e outros das suas ofertas para crianças menores de sete anos. Porque entre outras maldades contém “estereótipos e representações negativas de pessoas ou culturas” que podem corromper as almas das criancinhas…

A Rua Sésamo, dos Marretas, antes celebrada como instrumento pedagógico para crianças (que criminosos nós éramos!), leva também com soturnos “avisos de sensibilidade”.

Já vieram por Eça de Queiroz, cujos Maias, têm “várias passagens racistas” que referem a “inferioridade dos africanos e o desdenho pelo negro”, além de que “idealizam a branquitude“, explicou uma “investigadora” (cof, cof…) woke, caboverdiana.

Já morderam a “Odisseia”, de Homero. Um professor de inglês, entre gargalhadas alvares, referiu ter “muito orgulho de dizer que já removemos a Odisseia do currículo, este ano”. Isto porque “desafiar os velhos clássicos, é o equivalente a substituir estátuas de racistas”.

O problema aqui, deixem-me sublinhar, não é a saudável diversificação de personagens e autores, mas sim o cancelamento de obras bem-intencionadas, por chocarem com o dogma ideológico da  “teoria crítica da raça”.

Uma coisa é tirar livros sofríveis das prateleiras, outra é ver racismo e “atraso de género” em todos os lugares e tempos e tentar impor uma mordaça ideológica woke à sociedade, enterrando ostensivamente a livre expressão de ideias, base nuclear da nossa civilização.

Na verdade, lá para os lados de Nova York, já se procura introduzir um currículo imposto pelo Estado para ensinar nos jardins de infância, sobre a “fluidez de género”. Um projecto de lei da senadora democrata Samra Brouk (no Estado de Nova Iorque) pretende que se ensine obrigatoriamente às crianças de oito anos que existem escolhas de género múltiplas e fluidas, e que se podem receber bloqueadores hormonais para evitar “puberdades erradas”. Mais à frente, os alunos aprenderiam sobre a necessidade de apoiar todas as “configurações familiares” possíveis. O currículo proposto também condena quem se apega à moralidade tradicional, tudo isto para produzir crianças com ideias woke pré-programadas.

Todo o passado está aberto à inquisição woke, e tudo será incinerado.

Alguns acreditam que enfim, tudo isto é só para equilibrar as coisas e que o problema só afectará os “fascistas” e os “neanderthais”, essa gente primária e ignorante que não frequenta os círculos da iluminação urbana. Estão enganados. A fúria canceladora não tem limites e mais tarde ou mais cedo cairá também sobre os que a encaram com benevolência.

As feministas clássicas já começaram a sentir o calor da chama, quando se atreveram a questionar a natureza feminina dos homens que mudaram de sexo.

Como diz o povo, não deve atirar pedras quem tem telhados de vidro e todos os temos. Muito do cuspo que os bárbaros woke hoje atiram para o ar, vai um destes dias cair-lhe na própria testa.

Quem acredita que o passado é um lugar em que tudo estava errado e que chegámos ao topo da História, lugar privilegiado de onde a podemos julgar à luz do actual zeitgeist, é tão idiota como arrogante.

Mas os idiotas estão hoje convictamente ao leme…


José do Carmo

* O autor usa a norma ortográfica anterior.

Partilhar

Latest comments

  • No que respeita aos Lusíadas estou tranquilo. O Luís Vaz usou uma linguagem que requer algum treino para descodificar, e essa trupe de preguiçosos não se vai dar a esse trabalho. Doutra forma, arriscam-se a cair no ridículo de criticar o que nem sequer entendem!
    Quanto a obras mais recentes, sobretudo de BD, espero que não se metam com o meu rico “Asterix”, senão levam uns tabefes …

deixe um comentário