Onde há fumo há fogo

Logo depois de, em 11 de março de 2020, a OMS ter declarado a pandemia da doença COVID-19, os governos entraram na histeria dos confinamentos, fecho de fronteiras, suspensão de voos e outras medidas sanitárias, encerramento de estabelecimentos, falência de muitos pequenos negócios, despedimentos, tele-trabalho para alguns. Um verdadeiro caos que se espalhou por toda a parte.

Rapidamente os meios de comunicação foram subornados para disseminar a verdade oficial e implantou-se a verificação de factos que contrariavam a verdade oficial. Nas redes sociais mais em voga foi implantada a censura e verificação de factos de modo a que apenas o que não contrariasse a verdade oficial pudesse ser lido pelas massas. Os meios de comunicação contrataram especialistas da pandemia para repetir as recomendações oficiais. Alguns especialistas até passaram a ser contratados para aparecer em anúncios publicitários, por causa da sua presença assídua na TV.

Uma das primeiras verdades oficiais era a de que a pandemia só passaria quando aparecesse uma vacina. Entretanto, quem contraísse a doença tomaria paracetamol para aliviar os sintomas, bebia água e ficava em casa se não piorasse.

Todo e qualquer fármaco existente e barato que podia ter ajudado a prevenir ou curar a doença foi de pronto desaconselhado com base em “não há evidências científicas que mostram que o medicamento X possa prevenir ou curar”. Também se podia ler em sites da OMS e autoridades sanitárias que “não há medicamentos para a COVID-19” e “siga as recomendações das autoridades de saúde”.

Mas nem a OMS, nem nenhuma outra entidade, fez ou encomendou ensaios clínicos dos vários potenciais fármacos. Os poucos ensaios de alguns fármacos foram pouco representativos e levados a cabo em clínicas ou hospitais.

Porque é que não se fizeram estudos a sério de fármacos que podiam ter revelado alguma eficácia? A resposta só pode ser uma: se algum desses fármacos mostrasse eficácia, as vacinas já não teriam podido beneficiar da autorização de emergência que é dada só na ausência de fármacos eficazes.

Há bem pouco tempo as vacinas obtiveram, mesmo sem ter cumprido as formalidades exigidas (como estudos sobre efeitos adversos em crianças, grávidas, etc.), autorização definitiva. Pouco depois foram descobertos fármacos (budesonida e fluvoxamina) que comprovadamente resultam no tratamento da COVID-19.

A verdade de que a pandemia acabaria com a vacinação acabou por não se confirmar. Mas as fontes oficiais desculpam-se com as novas variantes, mais contagiosas e mortais. Apesar disso, a vacinação continua sem abrandamento, vacinando-se grupos de risco nulo para alegadamente não contagiarem os completamente vacinados. A estes propõe-se uma 3.ª dose seis meses após a segunda. Aos infetados recuperados propõe-se uma dose (ou as duas), apesar de se saber que a imunidade natural é melhor que a das vacinas.

Entretanto, nem se ouve falar dos fármacos budesonida e fluvoxamina – é como se não existissem. Àqueles que se infetam continua a dar-se apenas paracetamol, água, confinamento ou multas. Outros potenciais fármacos continuam sem ser estudados, havendo alguns que só são usados em doentes graves.

Não se trata aqui de uma teoria da conspiração: são apenas factos e apenas alguns. Resumindo:

  1. Foi afirmado que só as vacinas poriam fim à pandemia
  2. Muitos perderam emprego e houve muitas falências
  3. Houve fecho de fronteiras, falência anunciada da TAP e Groundforce e o turismo colapsou
  4. Os meios de comunicação foram “subornados” com 15 milhões de euros
  5. Vários especialistas apareceram na TV e outros escreveram para jornais corroborando as verdades oficiais
  6. O artigo de um médico que se opunha à vacinação de crianças foi retirado pelo jornal Público
  7. Pelo menos dois especialistas colaboraram em anúncios publicitários
  8. Há censura nas redes sociais para silenciar opiniões ou factos considerados inconvenientes
  9. Proliferou a verificação de factos em defesa das verdades oficiais
  10. Não foram feitos estudos de fármacos preventivos ou curativos
  11. As vacinas tiveram autorização de emergência que não teriam se houvesse alternativa
  12. As vacinas tiveram aprovação definitiva sem estudos de efeitos adversos em certos grupos
  13. As vacinas afinal não põem fim à pandemia
  14. Foram descobertos fármacos que podem ser usados para evitar a doença grave
  15. Vacinam-se grupos de risco nulo (crianças)
  16. Grupos completamente vacinados vão tomar a 3.ª dose
  17. Vacinam-se pessoas com imunidade natural, superior à das vacinas
  18. Não se fala da budesonida e da fluvoxamina que previnem a doença grave

Se não se trata aqui de um plano para destruir a economia e impingir vacinas, é extremamente semelhante a um!


Henrique Sousa

Partilhar

Latest comment

  • Mais, aproveitou-se um teste, absolutamente inútil, sabendo que acima dos 30 ciclos, dá sempre positivo, a quê, não se sabe, passaram-se certidões de óbito de muito duvidosa credibilidade, gerou-se muita confusão, censurou-se quem tem opinião diferente, tudo para gerar pânico e levar as pessoas a se submeter a uma experiência que só daqui a uns anos vamos conhecer as verdadeiras consequências.
    Depois de toda a informação que o inconveniente aqui tem deixado (para além de outros sítios e pessoas), não levar as pessoas, a no mínimo, a questionarem todas as autoridades mais os meios de comunicação social oficiais, então não sei o que mais se poderá fazer.

deixe um comentário