O “nosso” Presidente estará bem?

“Só quando uma mulher incompetente chegar ao topo haverá verdadeira igualdade nas Forças Armadas.”
Marcelo Rebelo de Sousa

E segundo alguns órgãos de informação social – que relataram profusamente o “dislate”, dado que existe sempre um pelotão de jornalistas colados ao senhor – ainda foi mais longe “só haverá igualdade entre homens e mulheres, quando chegar aos mais altos postos uma mulher tão incompetente, como chega em vários casos, em inúmeros casos, aos mais altos postos, um homem” (o destacado é nosso).

A “diatribe” ocorreu durante o I Fórum de Recrutamento, organizado pela Força Aérea, no Teatro Thalia, em Lisboa, no passado dia 28 de Junho, sobre o tema dos desafios do recrutamento militar, falando especificamente sobre a integração das mulheres nas Forças Armadas.

Analisando as afirmações, fica-se com a ideia de que o autor da frase era ele próprio (“eu costumava dizer o seguinte…”), mas melhor parece uma corruptela de uma afirmação algo irónica de uma mulher com ares de feminista (seja lá o que isso for), de seu nome Françoise Giroud, que escreveu num jornal francês há umas décadas atrás, o seguinte: “a mulher será verdadeiramente igual ao homem, no dia em que para um posto importante, seja nomeada uma mulher incompetente”.

Curiosamente o mesmo se pode ler num artigo do Major General Carlos Chaves, publicado no jornal “Sol” de 8 de Junho de 2019, que escreveu, e cito: “Li recentemente uma declaração de uma notável feminista sentenciando que só haverá verdadeira igualdade de género quando aparecerem mulheres incompetentes na administração de empresas. No caso do HFAR é por demais evidente que já lá chegámos”.

Tal arrazoada fazia parte de um malévolo e descabelado ataque à então Directora do HFAR (Hospital das Forças Armadas) e por acaso a primeira mulher em Portugal a atingir o posto de oficial general.

As coisas que se passam e vá-se lá saber com que intenções…

É pena que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa (MRS), não tenha lido esta prosa (ou então não fez fé nela, conhecendo o autor como conhece das lutas intestinas do PSD), mesmo perdendo uma boa oportunidade de estar calado o que, como é notório, não lhe está na massa do sangue.

Ora o “Comandante Supremo” – que não comanda nada, é apenas um título honorífico – disse coisas incompreensíveis, deixando os que percebem alguma coisa do que se passa, boquiabertos e nem me atrevendo a imaginar o que o cidadão comum possa deduzir de semelhante jogo de palavras. Será que quis ter graça? Saiu-lhe mal; já não aguenta cinco discursos por dia? Deve então refrear-se; quis enviar alguma indirecta? Ninguém atingiu, mas fica a aleivosia; está incontinente de verborreia? Meta uma rolha, que ainda não falta cortiça em Portugal.

Aquela tirada de haver muitos incompetentes que chegam aos mais altos postos – como se estava a falar de militares, temos que deduzir que se está a referir às Forças Armadas – é de cabo de esquadra.

Como é que um verdadeiro paisano que nem o serviço militar cumpriu, se permite avaliar a competência de altos cargos militares, nem sequer apontando um único caso e explicando porquê? E mesmo assim devo deduzir que eventuais casos observados (na sua opinião, é claro) o sejam de há mais de seis anos, já que por imperativo de funções ele, Presidente, tem de apor a sua assinatura em muitos casos de promoção, ou escolha para desempenho de funções, de muitos dos oficiais generais no activo. E já nem falo nas competências que tem na designação das chefias militares, o que ficou bem evidenciado no recente (e lamentável) caso da substituição do Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante Mendes Calado.

Mas MRS vai mais longe e faz considerações sobre a participação de mulheres em “unidades de elite” – em que afirma ser muito difícil qualquer mulher chegar, nessas tropas, a oficial superior! E ainda acrescenta frases confusas: “dir-se-á por que são características tais, que são concebidas só para homens. Eu nunca vi a comparação em termos externos, mas desconfio que deve haver nesse tipo de unidades, ou unidades congéneres, mulheres, mais do que há em Portugal”.

Ó Senhor Comandante Supremo, nem sequer se trata de chegar a oficial superior, trata-se de ser admitida! E se, porventura, nalguns países “prá – frentex” do mundo, haja mulheres em “unidades congéneres” tal é conseguido demagogicamente à custa de se baixar a fasquia!

Por fim remata com outra frase infeliz e que soa mal: “é um bom sinal de mudança de mentalidade este fórum da Força Aérea, nos seus 70 anos, quer dizer que não precisou de esperar 100 ou 120 ou 140, para fazer esta reflexão”.

Sabe, a Força Aérea e os outros Ramos, há muito que se habituaram a andar à frente dos acontecimentos e a inovar, até por uma questão de sobrevivência. E no caso português têm feito das tripas coração para fazer sempre o mesmo (ou até mais) com menos, até chegarem à ossatura descarnada em que agora estão. Tudo isto enquanto o resto do país folgava à boa maneira da cigarra e os políticos se entretinham a fazer o que não devem para ganhar votos e assim conquistarem, ou se manterem, na manjedoura do Poder. Não parece quererem saber do país para nada, muito menos da Instituição Militar. Infelizmente a maioria das chefias militares não têm tido a coragem e a espinha dorsal para se darem ao respeito e dizerem-lhes isto (e muito mais) na cara.

Aliás, no âmbito em que o PR discorria, a Força Aérea tinha andado à frente dos outros Ramos na admissão de mulheres em larga escala – partindo do princípio (errado) que tal foi uma boa ideia – e posso dizer-lhe que a coisa até deixou muito a desejar. Eu assisti ao parto…

Mas a Senhora Ministra da Defesa parece ter a solução para tudo já que, ao discursar no dia da Força Aérea, afirmou a dado passo a seguinte pérola: “que com mais mulheres em cargos de decisão nas Forças Armadas, seja mais difícil haver pessoas incompetentes nesses lugares”. Gostaram?

O Comandante Supremo não podia esperar melhor resposta. Está pois aberto o concurso para o político que diz os maiores disparates diários…

Aliás, esta questão das mulheres, da igualdade de género e similares, já fede e não se suporta.

E, já agora, gostaria de saber como é que querem que haja maior “paridade” no recrutamento se este é voluntário e sujeito a provas? Será que vão proibir os homens de se candidatarem? Irão pagar mais às mulheres que se voluntariem? Arredonda-se-lhes os resultados por cima? E não estão preocupados em que nas especialidades ligadas à saúde já haja (e se não há, vai a caminho) mais mulheres que homens? E porque bulas, tem de haver paridade?

Meu Deus, tanta cretinice, a que se deve agora juntar a ideia de recrutar migrantes para a tropa!

E melhor seria que em vez de ser a Senhora Ministra a presidir à cerimónia do aniversário da FA, tivesse sido ele, MRS, a fazê-lo, em vez de ir ao Brasil intrometer-se na política interna brasileira; praticar actos hostis para com o seu homólogo das Terras de Vera Cruz, criando incidentes políticos escusados (e em que não parece ter pingo de razão) e dando preferência a “actividades culturais” de cunho marxista em detrimento da comemoração desse feito ímpar da Aeronáutica Nacional (provavelmente o maior feito individual de todo o século XX português), que foi a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, efectuada em 1922, por Gago Coutinho e Sacadura Cabral, de que se está a comemorar o centenário e que seria o principal motivo desta 6ª viagem oficial ao Brasil (já vai em seis!). Não teria assim que esperar mais 70 anos para o fazer…

Uma vergonha.


João José Brandão Ferreira
Oficial Piloto Aviador (Ref.)

*O autor escreve segundo o anterior acordo ortográfico.

Partilhar

Latest comments

  • Agradecendo e aproveitando a oportunidade, louvo a frontal atitude de Brandão Ferreira.
    Postura que admiro e partilho, tendo sido precisamente na Força Aérea que reforcei essa minha genética.
    Brandão Ferreira disse diretamente o que lhe vai na alma – como vai certamente em tantas outras almas – recusando falar por entrelinhas, deixando essa estafada prática para quem gosta mais de falar para as alminhas.
    Alminhas essas, por norma invertebradas, que não têm a coragem de denunciar titubeantes afirmações, vociferadas consoante o sítio e o momento.
    Ao longo da sua passagem pela PR, Marcelo Rebelo de Sousa/MRS não foi deselegante, quiçá ofensivo, só para com as nossas Forças Armadas. Se não teve pejo nem tento para dizer o que disse enquanto Comandante Supremo das Forças Armadas, recorde-se que assim foi para com as magistraturas quando, ter-se-á esquecido, lhe está dedicado o epíteto de Primeiro Magistrado da Nação.
    Tentando ilustrar:
    No dia 04DEZ20, na apresentação de um livro sobre Sá Carneiro, o referido Primeiro Magistrado da Nação, entusiasmou-se e não perdeu a oportunidade de afrontar os mais de trinta magistrados, do Ministério Público e Judicias, que estiveram envolvidos na investigação do caso da morte de quem estava a ser lembrado naquele evento. Ousou ali afirmar, sobre um caso arquivado por falta de matéria acusatória, que ‘… a Justiça não provou que foi acidente.’ Nem tinha de provar, Senhor Professor de Direito. Isso seria inverter o ónus da prova. O crime é que tem de ser provado, por parte da acusação; e não foi.
    Se MRS dúvidas tiver bastará ler o último livro sobre ‘Camarate, Acidente ou sabotagem?’, escrito por quem chegou ao local ainda os destroços fumegavam e continuou na investigação do caso, mais que esclarecido para mentes isentas.
    Uma vez mais não ousou ‘dezer’ o que lhe apeteceu para os presentes imiscuindo-se, assim, o Primeiro Magistrado, apoucando o trabalho dos outros magistrados de profissão. Esses sim, habituados ao rigor.
    E por falar em rigor, ou de falta dele, quatro meses depois daquela velada afirmação, desdisse-se MRS ao quer ouvir-se, proferindo: ‘Sabem que o Presidente da República nunca comenta decisões dos tribunais. Não comenta decisões definitivas dos tribunais, que são aquelas em que já não há sequer recurso, portanto transitadas em julgado.’ Fim de citação. 10ABR21.
    Perante este ziguezaguear de afirmações e do seu contrário, esperemos pela próxima uma vez que muitos de nós, de tão habituados, já se terão esquecido do que MRS disse do, ao tempo, Senhor Ministro da Defesa sobre uma questão em que esteve – uma vez mais – a falar do que não sabia. É O que temos, por mais algum tempo.

  • Há muito que seguia o senhor João José Brandão Ferreira no seu blog.
    Estou encantado. O inconveniente está cada vez melhor. Parabéns 🙂
    .
    Quanto ao indivíduo aqui em causa, primeiro nos incêndios, beijocas nas velhotas carênciadas, falta de obstetras, beijocas na barriga de estrangeira. Quero ver se houver falta de podologistas.

deixe um comentário