“Nazis de luvas brancas”: Papa alerta médicos a não abortar em nenhum caso

A propósito da recente polémica americana, que voltou a colocar o tema do aborto em cima da mesa, o IИCONVENIENTE selecionou algumas declarações do líder de Estado mais contrário ao aborto. Têm sido recorrentes, ao longo do pontificado de Francisco, as suas chamadas de atenção contra a prática e normalização do aborto.

Numa audiência no Vaticano a 16-6-2018, dois dias depois da Câmara dos Deputados da Argentina ter aprovado a legalização do aborto, o Papa argentino condenou o aborto como nazismo com luvas brancas.

“No século passado, o mundo inteiro ficou escandalizado com o que os nazis faziam para cuidar da pureza da raça. Hoje fazemos o mesmo, mas com luvas brancas.”

Para ilustrar melhor esta comparação com a eugenia nazi, o líder da Igreja Católica deu ainda outro exemplo:

“Quando somos crianças, a professora ensina-nos o que os espartanos faziam quando nascia uma criança com malformações: levavam-na ao monte e atiravam-na do penhasco, para salvaguardar a pureza da raça. Uma atrocidade, mas nós fazemos o mesmo”.

De improviso o Papa continua a sua pregação assertiva contra o aborto:

“Os filhos acolhem-se como vêm, como Deus os manda, como Deus permite – mesmo se às vezes são doentes. Ouvi dizer que está na moda – ou pelo menos acontece – que nos primeiros meses de gravidez se faz alguns exames, para ver se a criança está bem ou tem algum problema… A primeira proposta neste caso é: “Eliminamo-la?”. O homicídio de crianças. E para ter uma vida tranquila, elimina-se um inocente.”

Já em 25-5-2019, o Papa reiterava:

“A vida humana é sagrada e inviolável e o uso da diagnose pré-natal, para propósitos seletivos, deve ser fortemente desencorajado.”

Em 29-12-2020, logo após legalização do aborto no seu país natal, escreveu no Twitter:

A 15-9-2021, volta a referir-se ao aborto como “homicídio”, com palavras fortes:

“É correto matar uma vida humana para resolver um problema? É correto contratar um assassino para matar uma vida humana? Cientificamente, é uma vida humana. É correto eliminá-la para resolver um problema? É por isso que a Igreja é tão dura nesta questão, porque se ela aceita isto é como se aceitasse o assassinato comum.”

Um mês depois, 14-10-2021, depois de saber que havia médicos a serem presos na Argentina por se recusarem a abortar, o Papa remata: “Vocês sabem que eu sou muito claro sobre isto: é um assassinato e não é lícito tornar-se cúmplice”.

“Vocês [médicos] estão sempre ao serviço da vida humana.”

O Sumo Pontífice finalizou: “O nosso dever é a proximidade: estar próximo das situações, especialmente das mulheres, para que nem se chegue a pensar na ‘solução’ do aborto, porque, na realidade, não é solução. A vida, depois de dez, vinte ou trinta anos, cobra o seu preço. E é preciso estar num confessionário para entender o preço tão alto disso”.

Partilhar

Latest comments

  • O Foro de S. Paulo organização formada em 1990 que teve como fundadores o PT de Lula da Silva, Fidel Castro entre outros, financiados na altura pelo grupo terrorista FARC-EP colombiano pelo narco-tráfico, este ano em foi em Montevideu, não culpam a corrupção comunista socialista pela miséria que se vive na América do Sul, culpam os USA. Por cá não sei se foi alguém convidado.

deixe um comentário