Mercedes-Benze-te e pede perdão!

O grupo Mercedes-Benz foi acusado no Reino Unido de fraude nos seus sistemas de controlo de emissão de gases poluentes.

A fraude terá ocorrido entre 2009 e 2018 e assume contornos semelhantes aos praticados pelo grupo Volkswagen, denunciado em 2015. Este caso não foi perdoado no Reino Unido e está a decorrer uma campanha nacional para que os proprietários e ex-proprietários de veículos Mercedes se associem a uma ação conjunta (ver aqui: https://mercedesclaim.co.uk/ ).

A estimativa atual é de que a fraude terá ocorrido em 3 milhões de veículos na Europa que foram ou deverão ser devolvidos à origem. A Mercedes tem já uma conta de 870 milhões de euros em multas a pagar. No Reino Unido estimam-se mortes em excesso por efeitos diretos dos gases poluentes alvos de fraude pela marca alemã. Só no Reino Unido estima-se em mais de 750.000 veículos alvos de fraude pela Mercedes.

Em abril de 2017, o grupo Volkswagen foi condenado criminalmente nos EUA por um tribunal federal a pagar 2,8 mil milhões de dólares em compensação aos consumidores e entidades dedicadas à proteção do ambiente. 

A Europa, onde a Alemanha controla discretamente as instituições Europeias com mão de ferro, ainda que para a opinião pública europeia se veja apenas o ar bonacheirão e inofensivo de Angela Merkel, praticamente ignorou o caso e desconhecem-se ações similares em outros estados Europeus.

Em 5-04-2019,  o Tribunal Europeu de Justiça respondeu a um processo judicial iniciado em França que, convenientemente para os fabricantes alemães e em que a BMW também é visada, acusa os três fabricantes alemães de conluio e obstrução à introdução de nova tecnologia e práticas anti-concorrenciais. (vejam aqui: https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/IP_19_2008). Desta forma, a ação iniciada em França, o mais empenhado parceiro Europeu da Alemanha, reduz as possibilidades de que os fabricantes alemães possam ser processados por práticas que prejudicam o ambiente, e assim evitar o risco de maiores multas e compensações.

O atual silêncio da Comissão Europeia sobre um gravíssimo caso que afeta o ambiente, uma das alegadas prioridades políticas para a Europa, não deverá espantar dado que na presidência da Comissão Europeia está a alemã Ursula von der Leyen que não tem demonstrado nenhum pudor em defender os interesses alemães em vários outros casos. 

Partilhar

Latest comments

  • Tanto quanto eu tenha percebido não houve fraude. Os fabricantes cumpriram a legislação que estipulava que apenas em determinadas circunstâncias a coisa deveria entrar em funcionamento e foi o que todos fizeram. Tanto quanto recordo, aquilo só deveria funcionar até à 3º velocidade, daí os centros de inspecção não darem por nada.

    A coisa estoirou porque alguém fez testes sem olhar a legislação, concluiu que aquilo só funcionava em determinadas circunstâncias e deu o alarme. O resto é spin e oportunismo de todo o tipo.

    Com os jornais aos berros e a VW a perder clientes acabou por se declarar “culpados” e pagar tudo e mais alguma coisa … e começou a guerra da VW contra os restantes, e o que levou porrada de seguida a fazer o mesmo aos outros.

    Se houve fraude ela foi legislativa. Claro que os “ambientalistas” regozijam.

  • … testes em estrada, não em laboratório (inspecções).

deixe um comentário