Mapas ©ovid interativos

Por defeito estão Portugal, Itália, Reino Unido, Brasil, Suécia, Alemanha, Índia, Japão e Mundo nos mapa interativos oferecidos pela plataforma Our World in Data.

Permitem adicionar/retirar países e diversas outras opções como o mapa mundial por zonas de incidência, va©inação, mortalidade em excesso, etc., constituindo uma excelente ferramenta para confrontar a informação recebida pela imprensa dominante, tantas vezes deturpada para gerar audiências.


* Por questões de alcance nas redes sociais, devido aos mecanismos de censura vigente, o Inconveniente decide modificar as palavras relacionadas com “©ovid” e “va©inas”.

Partilhar

Latest comments

  • É difícil saber-se o que são mortes covid ou não porque na generalidade dos locais, pelo sim pelo não morre-se de covid. Em Portugal, por exemplo, as mortes covid do último inverno devem-se ao agravamento progressivo da saúde da população que já se encontrava algo debilitada. Esse agravamento deve-se à desactivação do SNS provocada pelo pânico instalado, à péssima gestão dos poucos recursos e ao abandono dos idosos que, vendo-se isolados do convívio familiar, foram-se desinteressando pela vida desleixando a tomada de medicamentos tanto mais que deixaram de ter acesso regular aos centros de saúde.

    No Brasil uma morte covid é uma factura a cobrar por uma miríade de governadores e autarcas corruptos ao estado central. Quanto mais mortes mais facturam.

    A estatística internacional de mortes covid não vale um corno e mesmo analisando pelo excesso de mortalidade é difícil.

  • As organizações corruptas desde a OMS, a EMA, CDC, FDA, NHS nos UE, Fundação Gates e toda uma série de estados por esse mundo fora, promovem a censura e a corrupção médica que se reflecte na imprensa médica que jamais recuperará desta deriva criminosa. Há um genocídio em curso.
    Aconselho a verem o site da FLCCC Alliance e BIRD. Há grupos de médicos que se organizam em todo o mundo em defesa dos tratamentos precoces e profilaxia e inclusivé, os tratamentos correctos a nível hospitalar que ainda em muitos casos é desactualizado e inadaptado a cada doente, conforme a fase da doença. Aconselho também, verem o site do IHU Méditerranée – infection em Marselha dirigido pelo Prof Didier Raoult.
    O caso da Índia é mais um caso em que é difícil saber o que aconteceu, não me refiro apenas à questão religiosa da propagação, olhando a linha do tempo. A Índia tem muitos estados, há estados onde o uso da Ivermectina evitou muitos óbitos. Mas, há o problemas da dose por comprimido fabricado que pode não corresponder á dose da embalagem. Há muitas coisas acerca do vírus que se vão conhecendo e das interacções que alguns tratamentos provocaram nas suas mutações, o caso do Remdesivir que muitos ainda terão de se explicar se interviram na sua compra e se tiveram contrapartidas financeiras da Gillead, dos anticorpos monoclonais, nos tratamentos com soros de doentes convalescentes e ainda por explicar na Europa o caso das quintas de martas na Dinamarca e Holanda, onde as populações extremas e as más condições em que eram criados estes animais, deixam afinal muito mal os vizinhos muito correctos do norte. Hoje, a corrupção faz escola na Europa e afinal não é apenas nos estados do sul. O mundo atravessa um período em que a ética foi atirada para o obscurantismo das novas ideias dos neomarxistas e gramscianos. Diria um grande caldeirão woke. O caminho está feito e o resultado é a ignorância e o obscurantismo dos povos. As redes sociais controlam as pessoas e amesquinham os sentimentos e comportamentos. Por mim, no caso Covid defendo o uso da ivermectina, sem esquecer que as vacinas podem ter o seu lugar. Não uso o facebook por princípio, há anos, no entanto sei que não foi apagada a minha presença. A teia de Zuckerberg é igual à de Bill Gates, à do dono do Youtube que desafiam já estados, como a Austrália, pena não ter um melhor PM, mas isso está a ser a regra. Governos eleitos pelas plataformas informáticas, das Big Tech. Hoje só vejo, a Fox News, a Sky News Austrália e os Pingos nos iS, no youtube, enquanto não forem censurados. Há que procurar outras plataformas e ir aguentando.

Post a Reply to JJLopes Cancel Reply