JMJ permitiam ideologia de género

image_pdfimage_print

No portal diocesano de inscrição nas pré-Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), designadas Dias nas Dioceses 2023 (DND), iniciativa dos comités organizadores diocesanos (COD) de nove dioceses portuguesas na preparação das JMJ Lisboa 2023, constava, até ao dia 27-3-2023, a opção “Outro” no campo “Género”.

O Inconveniente (IИ) contactou o coordenador nacional dos DND na estrutura das JMJ, P. Filipe Diniz, que respondeu prontamente que a plataforma não é da organização DND, mas uma “plataforma interna” de “uma ou mais dioceses” para inscrição nos DND, e que a opção “Outro” (género) “deve ser um engano ou lapso na construção da plataforma, que está a ser corrigido”.

Por diversas vezes, o Papa Francisco tem lançado alertas para a ameaça civilizacional da “colonização ideológica” da “ideologia de género”, apelidando-a como “a mais perigosa” de todas.

O IИ quis obter o contacto do responsável pelas orientações editoriais da plataforma, mas o P. Filipe Diniz, também diretor do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, desvalorizou o assunto reiterando que se tratou de um “lapso”.

Dois dias após o contacto do IИ, verifica-se que o campo “Género” foi alterado para “Sexo” e a opção “Outro” desapareceu.

A famosa Gender Theory (Teoria de Género) defende o desuso da palavra “sexo” (relega-a à descrição científica) postulando a existência de vários “géneros”, que seriam identidades socialmente construídas de forma totalmente separada da raiz biológica do indivíduo, homem ou mulher.

A partir daqui, há quem advogue a possibilidade de um indivíduo “nascer homem no corpo de uma mulher” e vice-versa, incentivando jovens e crianças a fazer tratamento hormonal e a mutilar partes do corpo, como o pénis, o útero, ou os seios, se sentirem que “nasceram no corpo errado”.

Desde 1995 (quando o Código Deontológico dos Médicos passou a permitir a amputação de partes do corpo sãs em transexuais), é possível fazer este tipo de cirurgias em Portugal a partir dos 18 anos; desde 2011, é possível um transexual alterar o sexo no Cartão de Cidadão sem grandes complicações após cirurgia; e, desde 2018, qualquer pessoa pode alterar o “género” no Cartão de Cidadão a partir dos 16 – mesmo sem cirurgia –, tendo também passado a ser obrigatório o tratamento das crianças e jovens pelo “género” com que se identificam na escola.


Maciel Rodrigues

Partilhar

Latest comments

  • Simples, limpo e elucidativo das gentes que se infiltraram na Santa Igreja e que são responsáveis pela degradação existente, de cima para baixo. Parabéns IN

  • Lamento contrariar.
    O antipapa Francisco é ele próprio um promotor da ideologia de género, pederastia, naturalismo etc. Defendido pelos modernistas disfarçados de tradicionais do Opus Diaboli, lobos em pele de cordeiro.
    A sé apostólica está vaga (sede vacante) desde 1958, quando morreu Pio XII.
    Paulo VI era um homosexual, comunista, maçom. Os que vieram a seguir não são melhores.
    Todos os antipapas desde João XXIII são hereges; bem assim as canonizações modernas não têem qualquer valor. «Santa» Faustina, impostora herege, por exemplo (cf. https://www.montfort.org.br/bra/veritas/igreja/faustina/), fora condenada pela Igreja Católica verdadeira. Reabilitada pelo seu conterrâneo «São» João Paulo II, mega-blasfemo da Igreja Conciliar.
    Viva Cristo Rey, viva a Igreja Católica.
    Cf. fontes sérias:
    https://www.totalista.net
    https://controversiacatolica.com/

    Ave Maria cheia de graça.

  • Gradualmente o grupo gay vai tomando conta das várias instituições a nível mundial usando todos os meios incluindo o domínio financeiro. O que se tem vindo a verificar na igreja católica é sintomático. Ainda gostava de saber porque razão André Ventura está a pedir perdão ao “ilustre” visitante. Será que veio a Portugal festejar o aniversário da implantação da lei do aborto ou assistir à promulgação da eutanásia? A abanadela que levou do “selfies” era para festejar o quê?

deixe um comentário