IVAucher: entenda o truque

À semelhança dos dias sem IVA do Pingo Doce e do Minipreço e funcionando mais ou menos como o cartão Continente, o Governo socialista lançou o cartão IVAucher.

Nas despesas em restauração, hotelaria e cultura o IVA será restituído em cartão durante os meses de junho, julho e agosto. O valor acumulado no cartão pode depois ser usado para pagar metade das despesas nos mesmos setores durante setembro, outubro e novembro.

Façamos então contas. Vamos supor que um casal sai uma vez ou duas por semana para comer fora ou para ir a um espetáculo e passa também uns dias fora de casa num hotel, gastando 1.000 euros nestes extras em 3 meses, o que parece razoável para um casal da classe média.

Se o IVA médio que pagar for de 20%, poderá o casal acumular cerca de 200 euros em cartão. Esse valor só pode ser usado em despesas do trimestre seguinte, mas só até 50% em cada despesa. Por exemplo, se no trimestre seguinte gastar outros 1.000 euros nesses setores, poupa ao todo 200 euros em 2.000, ou seja, 10%. Só paga 1.800 euros ao todo, dos quais 360 serão de IVA (em vez do Estado receber 400 euros).

Porém, segundo as regras do IVAucher, estas despesas não podem entrar no IRS.

Significa que se o casal optar por declarar as despesas em sede de IRS pode recuperar 15% do IVA pago: em vez de poupar 40 euros com o IVAucher, poupa 60 euros no IRS.

No fim de contas, quem fica a ganhar é o Estado socialista, que consegue que os cidadãos que não costumam pedir faturas no usufruto destes setores, passem a solicitá-las baseados num truque para conquistar os incautos.

José Leite

Partilhar

Latest comments

  • Este governo não tem ponta por onde se lhe pegue.

  • Não percebi…não é bom pedir fatura? Não é suposto pedir fatura? Não é o governo que ganha se pedirmos fatura, somos todos nós. Não percebi a sua opinião…..

deixe um comentário