Escumalha de esgoto

O diretor-adjunto do Polígrafo, Gustavo Sampaio, escreveu-me dois e-mails sobre o meu editorial “O Polígrafo censor“, de 15-5-2021. Prometi-lhe que respondia aqui. Cumpro. Vamos por partes.

No primeiro e-mail, no dia 16-5-2021, pelas 19:15, ameaça-me com processo judicial por difamação, dizendo que o que escrevi nesse editorial é “motivo para um processo judicial por difamação…” Venha o processo judicial por difamação – veja-se o art. 180.º do Código Penal (e já agora o art.º 365.º do mesmo código) e veremos quem leva com “pimenta na língua”.

Fiz um pós-texto no editorial sobre a censura do Blogger, após denúncia, a um poste do José da Porta da Loja, de 6-3-2021, “O Polígrafo grafado de burrice“, onde corrijo, e preciso, o que escrevi sobre esse assunto e sobre a assessoria de imagem a Paulo Lalanda de Castro (da Octapharma e arguido no processo Máfia do Sangue, e no processo Marquês pelos negócios manhosos com José Sócrates), que Fernando Esteves diz não ter feito (nem a Luís Cunha Ribeiro, outro arguido do processo Máfia do Sangue), mas Alter-Ego, Lda., o curioso nome da sua empresa de consultoria de comunicação e imagem (atividade incompatível com o jornalismo) que tinha com o outro sócio Pedro Coelho dos Santos – ver reportagem de Felícia Cabrita, de 17-11-2019, no Sol. Releia-se.

O diretor-adjunto do Polígrafo, Gustavo Sampaio, escreveu-me um segundo e-mail, pelas 2:47 da madrugada de 17-5-2021. Como entendo que os insultos se viram sempre contra quem os profere, e que demonstram a conduta e a personalidade de quem os atira, cito o que, nesse e-mail, diz sobre o jornal Inconveniente e mim próprio (que o dirijo). Com o pretexto de o editorial ir ilustrado com uma foto de Fernando Esteves na revista NiT – cujo diretor, Jaime Martins Alberto, parceiro do Polígrafo, fez um comentário no poste do Facebook a imputar-nos de “roubo” (crime previsto e punido pelo art. 210.º do Código Penal) – e que foi prontamente retirada, Gustavo Sampaio insulta o jornal Inconveniente e ofende a honra e consideração de quem aqui escreve: “escumalha de esgoto que nem vale a pena estar a perder mais um segundo com esse micróbio de site” e continua dizendo “inventem o que quiserem, mintam à vontade, aldrabem, difamem“.

Sobre eu mesmo, ofendendo a minha honra e consideração: “Ainda pensei que você tivesse alguma dignidade, mas está ao mesmo nível de esgoto“. Gustavo Sampaio escreve ainda, neste e-mail que me dirigiu, uma série de juízos falsos e ofensivos da honra e consideração pessoal e profissional do diretor-adjunto do Inconveniente, Maciel Rodrigues, que evito aqui repetir. Noto que, por estes dias, Pedro Almeida Vieira, do Farol XXI, também sofreu ataque semelhante por ter ousado escrutinar o escrutinador Polígrafo.

Com pesar meu, logo voltaremos a estes assuntos e a outros correlacionados.


António Balbino Caldeira
Diretor


Partilhar

Latest comments

  • Já era expectável uma reacção desse genero pela célula do Poligrafo, quando o nivel é pouco e os argumentos falham ou nao os há……Já se sabe.

  • Os fact-checks são feitos por pessoas que se julgam geniais, mais certos que os outros todos.
    Já Fernando Pessoa dizia no seu poema maior (Tabacaria):

    “Em todos os manicómios há doidos malucos com tantas certezas!
    Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?”

  • O Polígrafo sabe que tem consistência de farófia.

  • O Polígrafo é uma excrescência antidemocrática, pelo paternalismo absurdo de querer “esclarecer” o povo que vê como ignaro e incapaz de julgar por si mesmo. Revela-se obcecado pelas redes sociais, num ensaio de censura facilmente reconhecível por quem conheceu o lápis azul do Antigo Regime. Esta gente deveria envergonhar-se do papel a que se presta.

  • Devo acrescentar, perante a empáfia manifestada quanto ao número de likes ou seguidores , que não tem faltado na SiC(k?), quem pertença ao “selecto” grupo dos famosos, via guinchinhos histéricos, piadas obscenas e sem piada nenhuma, música pimba, pontapés na bola e teorias filosóficas sobre os ditos, comentadores perpétuos cuja cassette se adivinha mal abrem a boca, etc,etc, etc. Valha-nos o cabo, a bendita Netflix e, para ler, o online, que tanto incomoda a mediocridade paga.

  • Estes socialistas parecem ter uma certa afinidade com o esgoto. É a 2ª vez em cerca de 1 semana que algum vem comparar o jornalismo a sério, o que não se vende ao PS, de esgoto. Compreende-se, quem vive no meio da porcaria (ou no meio da mer**, se preferirem), só vê porcaria à sua volta.

  • António, estamos (estou) consigo e com o José. Os verdadeiros ratos de esgoto parece que estrebucham face a micróbios. Ainda bem.

    • Diria mesmo, façam um episódio do polígrafo para desmontar o que aqui foi dito.

  • Muito bom, António, obrigado.

  • O Poligrafo e para embalar criancinhas e não homens maduros de barba rija. Ja li algumas do poligrafo e so da vontade de “estalar” nas 4 direcoes.

  • O poligrafo e para embalar macacada.

Post a Reply to Isabel Pecegueiro Cancel Reply