CVD-19: Mudança de estratégia

Um medicamento oral experimental para tratar a CVD-19 logo nos primeiros sintomas da doença é a nova aposta da farmacêutica Pfizer, segundo o seu CEO Albert Bourla num programa da CNBC, no dia 27-4-2021.

O fármaco faz parte da classe de medicamentos conhecidos como inibidores da protease e funciona por inibição de uma enzima de que o vírus precisa para se replicar nas células humanas, estratégia que tem sido usada para tratar outros vírus, como o VIH e a hepatite C.

Os ensaios clínicos já estão a decorrer e, se a agência reguladora norte-americana Food and Drug Administration (FDA) conceder a devida aprovação, o medicamento poderá estar disponível nos Estados Unidos até ao final do ano, afirmou Bourla.

A empresa que desenvolveu a primeira vaciиa autorizada nos Estados Unidos contra o coroиavírus está agora empenhada em conseguir um tratamento farmacológico precoce, estratégia de combate que tem sido defendida por “negacionistas”.

Partilhar

Latest comment

  • Mais um, a juntar a uma série de tantos.
    As vacinas que estão atrasadíssimas e agora mais um inibidor da protease.
    No entanto o vírus que já deveria ter passado a ser mais um coronavírus e que poderia se ter tornado inofensivo, continua a sofrer mutações, muitas delas senão todas, provocadas por tratamentos como os anticorpos monoclonais e pelo remdesivir.
    A solução simples de medicamentos antigos redireccionados para doenças novas tem sido aceite, mas há uma cultura motivada pelo novo poder, dos novos plutocratas que dizem querer salvar o planeta que acha que tem de haver inovação, não importa o preço, desde que não sejam eles a pagar.
    A hidroxicloroquina, a ivermectina, a aspirina, a colchicina…

deixe um comentário