Crepúsculo afegão

O resultado das guerras costuma ser determinante no destino das nações, e ganhar ou perder depende frequentemente, como a História mostra, da vontade e da capacidade de uso da força.

Como dizia Tu Yu em “A Arte da Guerra”, de Sun Tsu (séc. IV a.C.):  

“Há ocasiões, na guerra, em que muitos não podem atacar poucos e outras em que os fracos podem dominar os fortes. Quem tais circunstâncias souber manipular, sairá vitorioso.”

Esta é uma verdade cartesianamente evidente que podemos comprovar não só nas guerras que a História documenta, mas também nos episódios de pancadaria que eram comuns na infância de anteriores gerações em tempos em que, pelo menos os rapazes tinham de, por si mesmos, literalmente lutar para estabelecer a sua posição na hierarquia dos grupos de que iam fazendo parte. É verdade que os mais fortes tinham uma vantagem inicial, pela percepção de poder que incutiam nos outros, mas alguns putos, mais reguilas e destemidos, ainda que franzinos, conseguiam, em regra, marcar também a sua posição, porque eram temerários e não se encolhiam.

Foi assim também em incontáveis batalhas e guerras.

Para não ir mais longe, em Aljubarrota, numa batalha cujo aniversário se comemorou há três dias, o exército castelhano, ainda que largamente superior, em número, armas, treino e equipamento, desmoronou-se psicologicamente, debandou desordenadamente, e sofreu uma espantosa derrota.

No Afeganistão, para além das estratégias, das tácticas, dos pormenores, e das diversas incidências circunstanciais, terá acontecido algo parecido e o Exército afegão, muito superior em número, equipamento e organização, evaporou-se quase instantaneamente face a uma horda de “estudantes de teologia” cujas únicas vantagens são intangíveis, como a determinação, o querer e sobretudo uma crença.

Porque razão isto aconteceu, ainda se irá apurar em pormenor e haverá certamente as mais especiosas teorias.

Na minha opinião, o facto de ter sido formado e treinado à imagem do Ocidente, segundo um modelo funcional que há muito deixou de valorizar os incorpóreos de combate, para apostar todas as fichas no gesto técnico, no saber fazer, na tecnologia, na máquina, terá sido uma das explicações.

Este Exército, referem aqueles que por lá passaram, tinha tudo menos coesão e vontade de lutar e não tinha esses intangíveis, porque não só eles escasseiam também no arsenal daqueles que o construíram, como as próprias lealdades tribais se sobrepõem ali a qualquer identidade do tipo nacional.

O Ocidente, do qual fazem parte os militares que tentarem construir aquele Exército, é também cada vez mais uma frágil construção kantiana, relativista, que abomina o nacionalismo, aspira a ilegalizar a guerra e se acredita já para lá da História, tendendo a pensar que as guerras são indesejáveis reflexos de um mundo antigo e deixando-se embalar na ideia de que só devem ser travadas em tabuleiros assépticos, desenhados segundo determinadas regras.

Como nas guerras reais, o “outro” não colabora e não hesita em usar as regras “éticas” do inimigo para se proteger e atacar, os mais fortes surgem frequentemente em manifesta desvantagem porque embora disponham de capacidades organizacionais e tecnológicas aparentemente superiores, estão cada vez mais limitados no seu uso por uma intrincada teia de condicionamentos éticos, morais, legais, estratégicos, organizacionais e instrumentais que os transformam em Gullivers, enojados de si mesmos e voluntariamente à mercê de liliputianos determinados.

Por isso, não ganharão nenhuma guerra em que se confrontem com um “hostis” determinado e coeso. Essa foi a razão pela qual a guerra no Afeganistão se arrastou ao longo de tantos anos.

A NATO  e os países que colocaram tropas no terreno, auto-limitaram-se nos objectivos, nos meios, nas estratégias e no próprio uso da força face a inimigos que, sabendo não ter hardware para vencer, transferiram o esforço para o campo das vontades e dos interditos (legais e morais). No Afeganistão, o combate foi sempre levado a cabo sob múltiplas restrições e caveats a que, em 2006, o antigo SACEUR (Comandante Supremo Aliado para a Europa) da Nato, o general James Jones, chamou “cancro operacional”.

Como se a guerra fosse uma justa de cavalaria, com lanças embotadas e cavaleiros galantes e leais.

A vitória nestas condições era manifestamente impossível.

O efeito cumulativo e corrosivo das auto-limitações ao uso da força, traduz-se na redução da capacidade de dissuasão, encorajando os pequenos actores a avançar.

E assim, tendo vergonha de explorar a sua superioridade tecnológica, temendo as baixas próprias, civis e do inimigo, atormentado pela compulsão moralista de limitar os danos infligidos ao inimigo, o Ocidente vê-se sempre na contingência, ou de combater em desvantagem ou de declarar unilateralmente a derrota e render-se.

É que, quando as batalhas não se travam ou não decidem, a guerra é um mero teste de vontades e será ganha por aquele que a mostre como inabalável. Quem usa a força de forma previsível, tíbia, limitada e pouco dissuasora, estimula apenas a agressão e não a desistência do inimigo.

Foi assim que os EUA perderam a guerra do Vietname, foi assim que a NATO perdeu no Afeganistão.

Mas a fuga desordenada do Exército afegão, tem uma outra causa: a desastrosa decisão da Administração Biden, embebida até à medula de ideologia “woke”, de não lutar.

Não lhe teria sido difícil parar a ofensiva taliban.

Com alguns ataques aéreos maciços tinha feito duas coisas essenciais, no campo das vontades: incutir medo aos atacantes, dissuadindo-os de avançar; e dar confiança ao Exército afegão. A dissuasão depende da percepção (pelo adversário) da nossa capacidade e vontade de usar a força e a Administração Biden deu todos os sinais de que não tinha essa vontade.

Em consequência, os taliban avançaram com o destemor do puto reguila e os soldados do Exército afegão percepcionaram-se a si mesmos como derrotados. Ninguém luta muito por algo a que não “pertence” e dai ao medo e ao pânico foi um instante e o matulão fugiu do recreio acossado pelo puto franzino.

O que há aqui é sobretudo uma assimetria de querer. De um lado há paixão, causas, crenças e outros intangíveis; do outro lado, apenas armas e gente que não se reconhece em nada de relevante, que não tem um “nós” que agregue e pelo qual lute. De um lado identidade, pertença e coesão; do outro alteridade, relativismo e atomização.

Como escreveu Yeats, em The Second Coming (1919):

“The best lack all conviction, while the worst   
Are full of passionate intensity.”

(“Aos melhores faltam convicções,
enquanto os piores estão cheios de uma intensidade apaixonada”).

Esta falta de querer e de pertença, é também facilmente discernível nas nossas sociedades nas quais, por via ideológica ou por emergência de determinados valores que substituem aqueles pelos quais se luta e se morre, o nosso “nós” está a desagregar-se e a tornar-se detestável a largos sectores da sociedade, conduzindo ao ódio a si mesmo e ao grupo do qual se faz parte.

Anteontem, Yanis Varoufakis, o darling grego da esquerda festiva e woke, manifestava a sua alegria pela “derrota do imperialismo e do liberal-neo-conservadorismo”, o qual aconteceu às mãos de um movimento retrógrado islamista.   Quanto às mulheres, condenadas à irrelevância, à ignorância e à subalternidade, atirou-lhes um hipócrita “aguentem-se”. Que diria a espantosa criatura se fosse a sua filha a ter de “aguentar-se” na escravatura?…

Esta derrota no Afeganistão não é contudo um mero problema local, mas mais um sinal de que o matulão tem medo e foge.

Os inimigos do Ocidente percebem bem isto e, tal como a URSS aproveitou a débacle americana do Vietname para avançar em todos os palcos, naquilo que, durante uns tempos, foi uma ofensiva imparável, o que se segue a esta derrota, e sobretudo à forma como ocorreu, vai reforçar as percepções de que o recreio tem novos senhores.

E quando o antigo senhor se retrai, trai os amigos e se morde a si mesmo, como está a acontecer pela marcada divisão interna, a perda de coesão, de orgulho nacional, e de pertença, as hienas avançam e impõem a sua regra.

Esta Administração americana, tão louvada pelos média, tão protegida pelas redes sociais, tão lustrada pelos fracos políticos europeus, soma desastres sobre desastres e, a menos que haja uma ressurgência do patriotismo, da confiança e do orgulho nacional, o Afeganistão poderá muito bem ter sido o prego mais determinante no caixão da era americana. E, por consequência, o sinal do advento de uma nova era na qual os nossos descendentes, aqui também na Europa, vão ter de sair do condomínio kantiano e enfrentar por si mesmos a realidade hobbesiana que os novos bárbaros lhe trarão até às portas.

Num conflito existencial o que importa é quem prevalece, e não se pode ser agnóstico ou neutral em questões existenciais. Há que assumir que, em determinadas circunstâncias, o uso da força não só é legítimo como necessário. Mas só eficaz quando se baseia num núcleo duro de valores indiscutíveis, em torno dos quais se endurece a coesão.

Quem deseja a paz, não pode vacilar na vontade de pagar o preço desse bem essencial que jamais foi gratuito. E que, muito menos, depende dos apelos patéticos do Secretário-Geral Guterres e do Papa Bergoglio, cujas intervenções cada vez mais fazem lembrar a converseta das misses nos concursos de beleza.

Igitur qui desiderat pacem, praeparet bellum (“Portanto, quem quer a paz, prepare a guerra”) escreveu Vegécio, há mais de 1.500 anos. Oxalá não tenhamos de reaprender isto da pior maneira.


José do Carmo
Editor de Defesa do Inconveniente

** O autor usa a norma ortográfica anterior.

Partilhar

Latest comments

  • Estou inteiramente de acordo.
    Lembrei-me do episódio da série violações na Alemanha por parte de jovens homens refugiados do médio oriente. Em resposta os homens europeus mostraram a sua indignação e a sua solidariedade para com as mulheres vitimas, pintando os lábios, vestindo mini-saias, calçando saltos altos e assim saindo à rua em manifestação de apoio às vitimas. A imprensa exultou. Grande lição nós, homens europeus, demos. Os violadores deverem ter ficado muito envergonhados dos seus actos e muito intimidados.

    Durante os 20 anos em que os EUA e a NATO estiveram no Afeganistão, foi gasto cerca de 1 bilião de dólares, através de ONG´s e universidades europeias e americanas, em programas como mestrados em “Estudos de género” e “Estudos sobre as mulheres” e “actividades que eduquem os homens e os rapazes afegãos para desafiar os estereótipos de género”. Esse dinheiro serviu a muito boa gente. Infelizmente a quase nenhum afagão.

    Do alto da nossa pseudo superioridade moral, sentados refasteladamente no nosso conforto, esquecemo-nos que as circunstancias e a realidade da nossa vida no ocidente podem mudar em muito pouco tempo. A História está cheia de episódios desses. E devemo-nos perguntar se queremos arriscar a que as nossas filhas tenham que viver, daqui a 10, 20, 30 ou 40 anos, como hoje vivem as mulheres de Cabul. Os ventos dos tempos dizem-nos que é para lá que caminhamos. E o que estamos dispostos a fazer se o quisermos evitar.

  • Concordo inteiramente com o seu escrito. Esta tarde, em conversa com várias pessoas fui questionado sobre como foi isto possível e a minha resposta coincidiu em boa parte com o que diz no seu texto.
    E agora, ao acabar de o ler, senti, por um lado, grande satisfação por haver várias pessoas a terem opinião idêntica sobre o tema e, por outro, alguma tristeza pois quem devia assim pensar também, os militares que dirigiram e dirigem os conflitos analisados, não o faz.
    Refiro-me aos americanos, que persistem em não aprender nada desde o Vietname, e a uns de pacotilha, europeus.
    Ainda, depois de ler o seu texto, ocorreu-me também que, face à já existência na Europa de muitos desses combatentes de sapatilhas e, dos muitos mais que se prevê estarem para chegar, ontem e anteontem foram os afegão a correr para os aviões e fugir, quiçá, daqui a dez anos, não tenhamos que ser nós a ter que correr também para fugir dos tais das sapatilhas.
    É que o inimigo também está ente nós e bem instalado no Belaymont Building, de Bruxelas, e nos governos da Europa.

    Só me falta saber para onde devamos fugir!

  • Quase tudo dito, quando o tema está adequado ao autor, o resultado só pode ser excelente!
    De facto ter meia dúzia de barbies a liderar a Europa, facilitou a vida ao puto reguila , e se acrescentarmos o batráquio dos pântanos que gosta de se fazer de morto sempre que a situação se complica, então vemos que o puto reguila foi mesmo incentivado a avançar pela cobardia do opositor!
    Sim, em meu entender o opositor do EI não é o exercito regular afegão! Entre esses há mais coisas em comum do que a separá-los!
    Entre afegãos e americanos ou mesmo europeus é que não há nada em comum, a não ser o dinheiro fácil que lhes ia permitindo uma vida mole!
    Ora estando a China e a Rússia tão interessadas e envolvidas no processo, seria tempo de alterar o rumo da migração que se adivinha:
    – A nova “rota da seda” que justifica a presença da China, deveria ser usada na sua componente oriental para levar os migrantes em fuga até à China, em vez de até à UE como habitual!
    – Os que ainda assim caminharem para oeste, chegados à Turquia, deveriam ser encaminhados para norte em direcção aos “aliado” russo da Turquia!

  • Pois mas fez lembrar Saigão, aliás Vietname, guerra Coreia, Iraque e agora Afeganistão, só não foi mais trágico porque os talibans respeitaram o termos da evacuação, de resto prova que estas guerras não levam a nada, desmotivação dos invasores e motivação dos invadidos. Está tudo dito, os russos já tinham também lambido as suas feridas lá.

deixe um comentário