Covid-19: França encomenda 50 mil doses de antiviral da Merck não aprovado

O jornal francês Le Monde revela, em notícia do dia 26-10-2021, que a França encomendou 50 mil doses do medicamento molnupiravir, um tratamento antiviral contra a Covid-19 que ainda não foi aprovado pelos reguladores americanos e europeus.

“Cinquenta mil doses desse medicamento serão entregues à França a partir dos últimos dias de novembro ou primeiros dias de dezembro, ou seja, assim que os tratamentos saírem das linhas de produção”, anunciou o ministro da saúde francês, Olivier Véran.

A Merck, chamada MSD fora da América do Norte para se distinguir de uma empresa alemã homónima, garantiu, no início de outubro, resultados muito encorajadores para este antiviral oral. Segundo a própria empresa americana, que realizou testes em cerca de 800 pacientes (sem divulgar detalhes), o molnupiravir reduziria para metade o risco de hospitalização quando administrado a pacientes cujo teste acabou de dar positivo ao SARS-CoV-2. O grupo farmacêutico pediu autorização para uso emergencial às autoridades americanas e europeias, tendo estas últimas anunciado, no dia 25-10-2021, que iniciariam um procedimento acelerado.

“Imagine que tivéssemos um tratamento antiviral que reduzisse em 50% o número de casos graves [no início da crise de saúde], imagine o impacto na saúde do nosso país no seio da primeira e segunda ondas, teríamos muito menos mortes e muito menos casos graves”, realçou o ministro.

“Vacinação mais tratamento antiviral mais anticorpos monoclonais equivalem a muito menos impacto na saúde”, insistiu. Este conjunto “também nos protegeria (…) no caso de uma onda epidémica ligada a uma nova variante da qual ainda não sabemos os danos que poderia causar”, concluiu Véran.

O custo do tratamento será alto a priori. Véran não especificou o valor do pedido, mas, a título de exemplo, os Estados Unidos encomendaram 1,7 milhões de doses por 1,2 mil milhões de dólares ou, aproximadamente, por 700 dólares (602 euros) cada dose, o que daria cerca de 30 milhões de euros.

Partilhar

Sem comentários

deixe um comentário