Mais imigração islâmica para a Europa, mais terrorismo, mais radicalização, mais rápida evaporação dos valores que sustentam aquilo que somos como civilização, no exacto momento em que ameaças poderosas começam a estender a sua sombra lá do Oriente.

Obikwelu, Mamona, Nelson Évora, Marcelino da Mata, Pichardo, Eusébio, etc., etc. (poderia dar, sem pensar muito, dezenas de outros nomes) identificam-se com esta terra, as suas gentes, os seus símbolos, os seus usos e costumes. (

Os recentes protestos em Cuba contra o brutal regime comunista são clarificadores e, para aqueles que duvidam do marxismo do BLM, a verdadeira prova do algodão, uma vez que mostram sem qualquer máscara que o alegado grupo de “justiça social” tem como agenda, não a

- Opinião - Apesar das continuadas fugas, o paraíso continua cheio de "reaccionários" incapazes de apreciar o privilégio das 1 800 calorias e que pretendem, veja-se o desaforo, viajar para os infernos capitalistas e neoliberais, ou até importar esse tenebroso sistema para a ilha.

- Opinião - Numa sociedade assim, quem não chora não mama e é por isso que as aptidões básicas para o sucesso passaram a ser as típicas de uma criança: reivindicar, chorar, pedinchar, fazer birra, vitimizar-se, etc. sob o olhar paternal do Estado que tudo

Como se pode facilmente comprovar, este activismo iliberal está hoje presente em tudo, e desde o catálogo do IKEA aos filmes americanos, passando pela figuras tristes que os futebolistas têm agora de fazer em público, de joelhos perante nem sabem o quê, em reverência penitente