As portas do inferno não prevalecerão contra ela

A Igreja tornou-se o “saco de boxe” favorito de todos: sejam ateus, sejam protestantes, sejam pagãos ou até mesmo daqueles que se dizem católicos “não praticantes” ou católicos “que defendem ideologias marxistas”.

Nota: Para os católicos “não praticantes” aconselho pelo menos a leitura do catecismo da Igreja (pode ser mesmo a versão de capa amarela, mas preferencialmente o de capa verde[1]); para os católicos “defensores das ideologias marxistas”, leiam o Decreto contra o Comunismo[2], e escolham o que querem para a vossa vida.

Para deixar bem claro, não quero, com este texto, branquear nenhum comportamento perverso ou defender os monstros que escondidos nas batinas da Igreja praticaram atrocidades contra a inocência dos mais frágeis e puros aos olhos de Deus.

Dessa forma é necessário investigar, julgar, condenar os culpados (ainda vivos) e que sejam imediatamente excomungados.

Mas sejamos íntegros e sérios no julgamento social que é necessário e deixemos os “ouvidos de marcador” para os covardes e mal formados.

Vamos por pontos:

  1. O que está acontecer na Igreja Católica faz parte do plano da Nova Ordem Mundial (NOM), que há décadas se infiltrou na Igreja. Há muito que tinham entendido que era impossível destruir a Igreja
    por fora, por isso começaram a fazê-lo por dentro.
  2. Estiveram anos a preparar tudo isto, estudaram e ingressaram na Igreja, prometeram servi-la, foram aceites e usaram as suas batinas como disfarce. Não é por acaso que a maior parte dos acusados publicamente são homens seniores que viveram vivamente no período de uma das primeiras actividades da NOM na sociedade: a revolução sexual!
  3. Padres, bispos ou cardeais, muitos deles comunistas usaram e usam a sua posição na Igreja para praticarem as ditas atrocidades. A Igreja não restringe a porta a ninguém, pelo contrário, por isso foi fácil que estes seres abjetos conseguissem facilmente posições propícias e cometessem os crimes que cometeram e que destruíram a vida de muitas crianças e famílias.
  4. Também não é por acaso que no Brasil e na França são centenas os membros da Igreja a denunciarem a infiltração da “Teologia da Libertação”; desde as pequenas Igrejas ao próprio Vaticano.
  5. Ou acham que o papa Bento XVI renunciou por livre e espontânea vontade (pergunta retórica que apenas uma minoria saberá responder)?
  6. Aproveitando o momento em que todos estão a julgar a Igreja Católica, vamos também investigar, denunciar e julgar os crimes de pedofilia praticados em comunidades islâmicas ou grupos de etnia
    cigana com crianças que casam e engravidam ainda menores, onde as mesmas são tiradas das escolas para servirem os homens da comunidade. E também não esqueçamos as atrocidades que são feitas com crianças em várias Igrejas evangélicas espalhadas pelo mundo… Cuidado com os telhados de vidro. O último caso que li foi em outubro de 2022, no Brasil, onde mais um pastor foi preso por crimes contra menores. Os números das igrejas evangélicas também são assustadores, apenas não são escrutinados, mas chegará a hora.
  7. Foi a Igreja Católica que acabou com a perversidade no Ocidente; acabou com a pedofilia e com a poligamia legalizadas e normalizadas no antigo Império Romano e ainda acabou com os sacrifícios macabros e todas as atrocidades cometidas pelos pagãos em nome dos seus deuses que hoje são pintados de “cor-de-rosa”. Já agora, feliz Carnaval a todos!
  8. A Igreja criou os primeiros orfanatos, hospitais, Santas Casas da Misericórdia, escolas, universidades, instituições de caridade…. Todos estes locais eram pagos e administrados pela Igreja (e ainda hoje milhares o são) e era impossível determinar que todas as pessoas que estavam na gestão desses locais eram pessoas íntegras e verdadeiros cristãos ao serviço de Deus e da sua comunidade.

Agora vou falar do elefante cor-de-rosa na sala que todos estão a ignorar:

  1. A maior parte dos abusadores denunciados são homossexuais, o que prova que a pedofilia é mais suscetível em desvios comportamentais do que heteronormativos, e isto é algo que o “status quo” não quer que seja debatido na sociedade. Basta pesquisar para concluir isto.
  2. O facto acima mencionado, leva-nos a um questionamento que há anos tentam fazer na sociedade via comunidade “da bandeira colorida”: normalizar a pedofilia!
  3. O Estado faz isso através das escolas (ideológia de género), mas os mesmos que cospem veneno contra a Igreja hoje, são os mesmos que estão ligados a essa comunidade e que, através de activismo social ou da política, tentam normalizar a sexualização das crianças (sendo que a sociedade está pouco se lixando para isso).
  4. E são os mesmos que defendem o aborto.
  5. É fácil de concluir que o “mainstream” é maquiavélico e tem como finalidade a desintegração da Igreja na confiança da população portuguesa, maioritariamente é católica, quando vemos que em plena RTP3 (paga pelos nossos impostos), Paulo Pedroso comenta os abusos de menores na Igreja!!! VERGONHOSO!!!

Por isso, e para terminar, podem contar comigo para condenar esses abjetos e maquiavélicos infiltrados na Igreja, mas não contem comigo para condenar a Igreja Católica Apostólica Romana, construtora do Ocidente, dos bons costumes, da caridade e da bondade.


Miguel Macedo


[1] É possível consultar online aqui e adquirir aqui.

[2] Um documento da Igreja Católica publicado pelo Santo Ofício no dia 1 de julho de 1949, durante o pontificado do Papa Pio XII. Original “Decretum Contra Communismum”, pág. 334. Tradução em português disponível na pág. 850 (879 no PDF), n.º 3865 do Denzinger.

Partilhar

Latest comment

  • Quantas religiões condenam efectivamente a pedofilia? Eu conheço uma.
    Acabou também com o canibalismo, condena a usura, etc.
    E a quantidade, sem paralelo, de padres e freiras, que deram a sua vida pelos outros, independentemente das suas crenças, raças, etc. Quantas mais religiões ou instituições existem, cujos membros se sacrificaram/sacrificam em prol do próximo?
    Pessoalmente penso que o que aqui está em causa, não são os homens nem as mulheres que representam, ou deviam representar a igreja. Nem a igreja em si. O objectivo é a destruição da religião, o grande empecilho ao retorno da barbárie, claro que numa linda moldura pseudológica, o resto é poeira para os olhos.
    Excelente texto. Alguém que pega o boi pela frente. Parabéns.

deixe um comentário