A Rosinha dos ladrões

Adaptação da conhecida canção, com letra e música de Artur Ribeiro, imortalizada por Max, popular artista madeirense.

Quando ela passa,
Franzina e cheia de graça,
Há sempre um ar de chalaça,
No seu olhar feiticeiro.
Lá vai, catita,
Cada dia mais bonita,
E o seu traje de chita
Tem sempre um ar justiceiro.

Passa ligeira,
Alegre e pantomineira,
E a rir, p’rà rua inteira,
Vai desfazendo ilusões.
Quando ela passa,
Vai safar ladrões da praça,
E até lhe chamam, por graça,
A Rosinha dos ladrões!

Quando ela passa,
Junto da nossa janela
Meus olhos vão atrás dela
Até ver, do caso, o fim.
Com ar gaiato,
Ela vai desavergonhada,
Rindo por tudo e por nada,
E às vezes troça de mim.

Quando ela passa,
Defendendo os ladrões,
Eu, a sós com os meus botões,
No vão da minha janela,
Fico pensando que
Qualquer dia, por graça,
Vou expor ladrões na praça
E depois processo ela.

Partilhar

Sem comentários

deixe um comentário