A festa da Parque Escolar – um assunto fúnebre

* Imagem editada

Vivia a Escola Secundária Professor Herculano de Carvalho, em Lisboa, posta em sossego, quando a alegadamente impoluta Parque Escolar lhe saiu ao caminho.

Na sua presidência, pontificava um homem impoluto e competente que era preciso afastar para que tudo corresse sem engulhos. Coisa fácil, em tempos socráticos. Num abrir e fechar de olhos, um homem de confiança (de quem?) tomou, com alguma brutalidade, o seu lugar, na sequência dum processo orquestrado e obscuro.

Em breve, as bandeiras da Lena, melhor dizendo, placards enormes, seriam hasteadas. Em breve, os professores seriam obrigados por convocatória, a assistir a reuniões de propaganda, nas quais se recomendava gratidão pelas benesses a receber. 

Certamente haveria ordens para não deixar pedra sobre pedra e assim se fez. Da imponente biblioteca às pinturas murais, dos revestimentos ao mobiliário, tudo foi considerado imprestável e substituído por um estilo minimalista e por mobiliário da linha mais barata da IKEA. Não escapou, sequer, o monumento ao patrono, uma gigantesca placa de mármore rodeada de um canteiro com flores. Na placa, destacava-se um baixo-relevo de bronze, retratando o notável Professor Engenheiro e um dos poemas dessa personalidade multifacetada. Atrás da placa, um gigantesco acrílico transparente protegia as fotos de todos os professores, funcionários e alunos, que tinham passado pela escola. Funestamente, numa atitude talibanesca, tudo foi destruído (less is more devia ser a divisa dos responsáveis, essa gente sem rosto).

A escola tinha acolhido a Secundária Vitorino Nemésio, alvo de extinção, dando-se, assim, um processo de fusão. Contudo, seria, na prática, igualmente extinta. À sua descaracterização seguir-se-ia o desaparecimento, num estranho processo de mudança de nome. Não tardou que, no seu lugar, fosse inaugurada, com pompa e circunstância, a novíssima António Damásio.

Ignoro se desculpas foram apresentadas à descendência do Professor Herculano de Carvalho, pela ofensa sem precedentes, mas tomei nota do absurdo de se crismar e “inaugurar” uma escola com décadas de existência notável. Requiem por ela.

A obsessão socrática pela informática dotou cada sala de aula com equipamentos caríssimos, que incluíam quadros interactivos, nunca usados, porque, entretanto, a escola, transformada em arrendatária da Parque Escolar, nunca mais conseguiu custear sequer o aquecimento ou o ar condicionado.

Requiem por uma escola de excelência, cujo sucedâneo rapidamente desceu a pique nos rankings nacionais. Mas requiem no sentido mais triste e literal por um pobre operário que, trabalhando no telhado, caiu numa sala de aulas vazia e aí agonizou, sozinho, sem que ninguém na obra desse pela sua falta. Na verdade, lamentavelmente, a vida humana ia começando a valer pouco por estes lados. Vale cada vez menos, aparentemente.


Isabel Pecegueiro
* A autora usa a norma ortográfica anterior.

Partilhar

Latest comments

  • Boa tarde, andei na escola e fiz lá o meu ensino secundário. Nunca consegui perceber a razão da mudança e fiquei triste e surpreendido. Não sabia que tinha feito parte do esquema da Parque escolar. Também não fui procurar, verdade seja dita. Obrigado pelo esclarecimento. Pobre país.

    • Boa tarde. Foi uma situação inacreditável, de facto. Obrigada pelo comentário.

  • Os factos contados deixam pouco lugar à imaginaçāo e estimulam várias perguntas: se a escola (estrutura, professores, alunos, empregados) nāo teve benefícios, quem lucrou, e em que medida, com a “remodelaçāo” ?
    Alguém disse que mesmo um relógio parado indica a hora certa duas vezes por dia.
    Ora eu pergunto: haverá duas coisas certas , digo pelo menos duas, que a Nova gestāo tenha feito?

  • Olá! foi acrescentado um pavilhão, novinho em folha à escola. Por acaso ficou inundado às primeiras chuvas e as fechaduras das portas estavam constantemente a cair, mas o estilo era “clean” e excelente para apreciadores do minimalismo. Também houve melhoramentos no sector desportivo. Obrigada pelo comentário.

deixe um comentário